Aprender a aprender com a pedagogia de projetos

Por que o ensino de algumas escolas é precário? Por que o aprendizado dos alunos não é satisfatório? Por que há uma certa impotência entre educadores e dirigentes do ensino? Por que temos uma massa de pessoas estudadas sem competência para pensar ou fazer uma tarefa minimamente complexa? Essas e outras questões são difíceis de responder, pela complexidade e por depender de vários fatores políticos, sociais e culturais. No entanto, iniciativas não faltam entre instituições e profissionais. Uma saída pode estar numa escola renovada, ou seja, numa instituição que considere o aluno como um participante ativo na construção de seu saber e não mero ouvinte do conteúdo repassado; que considere o que o estudante já sabe; que valorize o questionamento investigativo numa perspectiva interdisciplinar; em que o professor seja um condutor do aprender a aprender; em que o livro seja concebido como instrumento auxiliar e não como o detentor das informações corretas.

Foi pensando nessa escola renovada que o professor Jorge Santos Martins, especialista em Metodologia do Ensino Superior, elaborou o livro O trabalho com projetos de pesquisa: do ensino fundamental ao ensino médio, lançado pela Papirus Editora. Segundo o autor, “o objetivo primordial não é fornecer um kit pronto e acabado de ferramentas pedagógicas para serem usadas em sala de aula, mas pôr a seu alcance um conjunto de idéias sobre o trabalho investigativo feito pelos alunos, que poderá ser adequado a suas aulas, desde os primeiros anos escolares”.

Nas palavras de Martins, o método estratégico do livro poderia ser resumido da seguinte forma: “Não dar a resposta pronta, ou a solução aos problemas encontrados pelos alunos, mas orientá-los a investigar, alimentando-lhes o prazer de descobrir, pela pesquisa e pelo esforço, as respostas que querem.” Em outros termos, a obra é uma orientação para a “pedagogia de projetos”, concebida pelo filósofo e educador americano John Dewey e difundida no Brasil por Miguel Arroyo, nas escolas de Minas Gerais. Mas a abordagem de Martins vai além da “pedagogia de projetos”, adaptando-a aos métodos da ciência, visando a formação de um futuro universitário.

Mesmo olhando para uma prática em sala de aula, o autor não ignora uma visão histórica da educação para fundamentar a sua proposta. Faz uma retrospectiva do ensino tradicional, ou jesuítico, que “consistia em transmitir aos alunos conhecimentos que deveriam ser por eles memorizados e depois repetidos para o professor, para que este pudesse verificar o que eles haviam aprendido.” Depois, passa rapidamente por outras concepções brasileiras de educação até chegar ao ensino renovado, com três tipos de conteúdo: o saber conceitual, sobre alguma coisa; o saber procedimental ou o como fazer; e o saber ser, que assume novos comportamentos diante da aprendizagem. E além da preocupação sobre o que ensinar, essa renovação pedagógica também fica atenta para o como ensinar e o que mudar.

O aprender investigativo é examinado pelo autor desde o papel do professor e a organização do currículo até os fundamentos teóricos. A construção do conhecimentos em sala de aula, tanto no ensino médio como no fundamental, requer um planejamento, segundo o autor, ou seja, um projeto de trabalho que responda às seguintes questões: O que será pesquisado? Por que pesquisar? Para que pesquisar? Como pesquisar? Que resultados esperar?

Martins entende a pesquisa como “um instrumento pedagógico destinado a melhorar a qualidade da aprendizagem de certo conteúdo escolar”. Mas faz um alerta: “Não é só dizer façam a pesquisa — é preciso orientar os alunos para que a concretização da pesquisa se viabilize.” Para tanto, o livro traz um capítulo inteiro sobre o processo da pesquisa, desde o primeiro momento, com a escolha do tema, passando pelo desenvolvimento e execução dos trabalhos, até a finalização, com análise dos dados, deduções e destaque dos conhecimentos adquiridos. No último capítulo, o autor apresenta alguns projetos esquematizados com temas como cidadania, meio ambiente, trabalho etc.

Podemos dizer que o livro de Martins ensina a aprender por meio de projetos de pesquisa, mas sem abandonar as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), e sempre colocando o aluno no centro de todo o processo de aprendizagem. “A criança tem paixão inata pela descoberta e por isso convém não lhe dar a resposta ao que não sabe, nem a solução pronta a seus problemas; é fundamental alimentar-lhe a curiosidade, motivá-la a descobrir saídas, orientá-la na investigação até conseguir o que deseja”.

Livro: O trabalho com projetos de pesquisa: do ensino fundamental ao ensino médio
Autor(es): Jorge Santos Martins
Editora: Papirus
Páginas: 135

COMO CITAR ESSE CONTEÚDO:
MENEZES, Ebenezer Takuno de. Aprender a aprender com a pedagogia de projetos. Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2002. Disponível em: <http://www.educabrasil.com.br/aprender-a-aprender-com-a-pedagogia-de-projetos/>. Acesso em: 17 de jan. 2017.

Deixe um comentário

Menu Title