Cecília Meireles fala de educação

O tema da educação de uma sociedade em mudança sempre ocupa o tempo de importantes intelectuais preocupados com os problemas brasileiros. E na década de 30, Cecília Meireles dedicou-se a essa tarefa de pensar questões fundamentais aos educadores, senão como prática pedagógica, pelo menos como ponto de partida para um trabalho de reflexão histórica sobre a escola e suas implicações na sociedade. Os textos da escritora podem ser conferidos no livro Crônicas de educação 2, novo lançamento da editora Nova Fronteira.

A obra, dedicada a temas educacionais, traz textos sobre adolescência, juventude, problemas gerais do magistério, métodos e técnicas de investigação pedagógica, dentre outros. Foram agrupados em núcleos temáticos com o objetivo de melhor apresentar o pensamento teórico e a filosofia educacional de Meireles. São textos publicados no Diário de Notícias do Rio de Janeiro, entre 1930 e 1933, e no jornal A Manhã, também do Rio, de 1941 a 1943. Esses textos tiveram ampla e sensível repercussão nos meios educacionais brasileiros, segundo Leodegário A. de Azevedo, que selecionou e organizou a obra.

No terceiro núcleo temático do livro (o primeiro e o segundo estão em Crônicas de educação 1), foram reunidos textos sobre “Adolescência, juventude e educação”. Num deles, “O que lêem os adolescentes”, Cecília Meireles fala de “mocinhas que devoram páginas e páginas de livros, completamente absorvidas pelas cenas que as palavras lhes põem diante dos olhos”. Ela se refere a “obras ultra-românticas de autores muitas vezes ou quase sempre de segunda ordem…” Ou seja, livros “dolorosos, excitantes, constituindo no ar fantasias detestáveis de vidas alimentadas de impossíveis, em que todos os aspectos da realidade se combatem, como prosaicos, e todas as alucinações se exaltam, enquadradas na moldura artificial de uma pseudopoesia”. Mas não para aí sua crítica. Para a escritora, que publicou obras com tendências parnasianas, simbolistas e modernistas, “só a existência de todos os dias, duramente realizada, conduz ao estado de beleza que os romances procuram imortalizar.”

Citando a Revolução do México e as palavras do governo Calles (Plutarco Elías Calles) sobre um plano de renovação nacional, Cecília Meireles lembra a situação do Brasil num texto publicado em março de 1931, no quarto núcleo temático sobre os problemas do magistério e técnicas de investigação pedagógica: “Não se trata de alfabetizar, mas de humanizar criaturas. De trazê-las, verdadeiramente, à sua condição humana, para, então, a integrar na vida social”. E mais adiante, no mesmo texto, salienta que não se operam transformações apenas com a mudança de atitude de um idealista: “É necessário haver, como alicerce para um sonho de renovação, uma força enraizada na vida do próprio povo, atuando nela, governando-a, dirigindo-a para a sua própria liberdade”.

Em “Educação, Revolução, reformas de ensino e ortografia”, quinto e último núcleo temático do livro, que reúne 60 textos da escritora, encontramos críticas e análises do contexto social e político da época, das decisões e intervenções do Ministério da Educação até sugestões e posturas de sua filosofia sobre o ensino. Num texto em que afirma não haver diferença entre educar o povo e educar a criança, Cecília Meireles deixa bastante claro o seu posicionamento: “Mas a criança que foi conduzida desde cedo — não para um sectarismo qualquer, não para um dogmatismo, o que seria a contradição da própria noção de liberdade, — mas para uma atitude superior de total desenvolvimento que lhe permita refletir acerca da sua existência na terra, e das circunstâncias ligadas a essa condição, essa sabe sustentar e defender um ideal, firmando-o, ou pelo processo sereno da evolução lenta, ou, como se faz indispensável muitas vezes, pela súbita força das revoluções”.


Livro: Crônicas de educação 2 (coleção Obra em Prosa de Cecília Meireles)
Autor(es): Cecília Meireles (seleção e organização dos textos de Leodegário A. de Azevedo Filho)
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 288

COMO CITAR ESSE CONTEÚDO:
SANTOS, Thais Helena dos. Cecília Meireles fala de educação. Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: <https://www.educabrasil.com.br/cecilia-meireles-fala-de-educacao/>. Acesso em: 26 de mai. 2019.

Ou

Cecília Meireles fala de educação, por Thais Helena dos Santos, em Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: <https://www.educabrasil.com.br/cecilia-meireles-fala-de-educacao/>. Acesso em: 26 de mai. 2019.