Informações sobre uma educação em constante transformação, quando a tecnologia enriquece e facilita a aprendizagem

Pensamento de Paulo Freire é tema de encontro no Rio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O I Seminário de Educação: Paulo Freire na Contemporaneidade, organizado para discutir a atualidade do pensamento freireano, foi marcado por um discurso político de oposição e resistência ao neoliberalismo. E não podia ser diferente se levarmos em consideração a vida e a obra do pensador pernambucano de reconhecimento mundial. Nos dias 4 e 5 de julho, estudantes, professores e pesquisadores de diversas instituições de ensino reuniram-se na Faculdade de Formação de Professores da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), em São Gonçalo (RJ), para apresentação de trabalhos, participação em palestras, mostras de vídeos e outras atividades com o tema central: a contemporaneidade de Paulo Freire.

A abertura do evento deu a temperatura do encontro. “É um momento de resistência, em defesa da nossa universidade”, enfatizou Mariza de Paula Assis, diretora da Faculdade de Formação de Professores da UERJ, fazendo referência à greve que a instituição mantinha fazia uma semana. Lembrando o geógrafo e pensador Milton Santos, o diretor do Centro de Educação e Humanidades da UERJ, Lincoln Tavares da Silva, definiu o encontro como “espaço de intervenção no mundo”. O diretor da Faculdade de Educação da UFF (Universidade Federal Fluminense), Waldeck Carneiro da Silva, com bastante otimismo, não poupou críticas: “Temos condições objetivas e concretas, no plano da política nacional, de apresentar outra proposta, não apenas na educação, mas outro modelo de sociedade que não se paute por princípios de produtividade, mas sobretudo que reafirme a justiça social, a solidariedade e a igualdade; e isso é o essencial de Paulo Freire”.

Este portal acompanhou os dois dias do encontro e selecionou as principais idéias difundidas com o objetivo de debater, analisar e produzir reflexões sobre o pensar, o agir e o sentir a partir das práticas e teorias da obra de Paulo Freire no contexto educacional brasileiro, assim como suas implicações para a formação de professores. Confira abaixo, com exclusividade, as palavras de alguns dos palestrantes:

José Peixoto, da UFF
Pedro Benjamim Garcia, da UFRJ
Moacyr Gadotti, do Instituto Paulo Freire
Ira Maciel, da UERJ