Informações sobre uma educação em constante transformação, quando a tecnologia enriquece e facilita a aprendizagem

Por que o mundo precisa formar mulheres nas carreiras STEM?

Com o Clube Minerva, engenheiras formadas na USP e estudantes buscam atrair mais mulheres para as carreiras de ciência, tecnologia, engenharia e matemática
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Grupo de engenheiras da USP trabalha para incentivar meninas nas carreiras STEM – Foto: Freepik

 

Engenheiras formadas na Escola Politécnica (Poli) da USP têm, em comum, o desejo de ajudar a mudar uma realidade que vivenciam em locais de trabalho e salas de aula: aumentar a presença de mulheres nas ciências exatas. Elas convidam não só mulheres, como também os homens para participar do Clube Minerva. O projeto usa as redes sociais para incentivar e atrair mais garotas para carreiras nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática – que têm como sigla em inglês STEM.

Os números trazem uma ideia da situação. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), as mulheres representam, nas universidades, apenas 35% dos estudantes matriculados em STEM. O porcentual é ainda menor nas engenharias de produção, civil e industrial, e em tecnologia: não chega a 28% do total. No mundo corporativo os dados são piores.

Uma pesquisa divulgada em 2019 pela consultoria Talenses e o Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) revelou que apenas 13% das empresas brasileiras têm CEOs mulheres. Elas representam 26% das pessoas em posição de diretoria, chegam a 23% das posições de vice-presidente e ocupam 16% dos cargos de conselhos. A Forbes divulgou em 2018 uma pesquisa de mercado feita pela Ipsos MORI. Com abrangência de 27 países, o estudo revelou que as lideranças das 500 maiores empresas do mundo eram formadas por apenas 3% de executivas mulheres.

O Clube Minerva começou seu trabalho algumas semanas antes do início da quarentena causada pela covid-19 no ano passado. A equipe procurou focar iniciativas que pudessem ser acompanhadas durante o isolamento social em qualquer dispositivo e a qualquer hora.

O Instagram é a plataforma que mais oferece retorno ao Minerva, prova disso é que o perfil dessa rede cresceu mais do que o das outras. Lá foram criadas sessões de publicações periódicas e divulgação dos eventos.

“Os conteúdos escolhidos, curados e divulgados pelo Clube Minerva têm a intenção de trabalhar a autoestima das mulheres apresentando e reforçando referências femininas nas carreiras STEM”, conta Adriana Kazan, coordenadora do projeto.

Cursos masculinos

Ela contextualiza essa luta com a história da Poli, predominantemente masculina, que foi inaugurada em 1894. Na época, havia duas alunas ouvintes. A primeira mulher a receber o título de engenheira foi Anna Frida Hoffman, em 1928. Posteriormente, ela trabalhou no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Desde 2018, pela primeira vez na história, a cadeira da direção da Escola Politécnica é ocupada por uma mulher, a professora Liedi Bernucci.

A participação de mulheres na Poli cresceu, mas, atualmente, chega a 19% na graduação e atinge pouco mais de 13,5% no corpo docente. Na pós-graduação, o porcentual é um pouco maior, ao redor de 27%. “São ainda porcentuais baixos”, lamenta Adriana.

A proposta do projeto é despertar o interesse de meninas por aprender e descobrir todas as possibilidades do mundo das exatas. “Temos publicações que apresentam cientistas mulheres e suas conquistas do passado, colegas politécnicas que deixam mensagens inspiradoras, esclarecimentos de temas relacionados à equidade de gêneros e divulgação de iniciativas que tenham valores parecidos com os nossos”, complementa Adriana.

O clube está desenvolvendo uma parceria com o Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP, que participa de um projeto europeu chamado GENDER-STI sobre engajamento de mulheres nos acordos internacionais em ciência e tecnologia.

Também há desejo de aprofundar as parcerias em eventos como o Woman in Data Science (WiDS) e o Woman in Energy (Win), além de procurar ainda mais parcerias abrangendo outras áreas de exatas, como computação, energia, mineração, elétrica, petróleo, mecânica, ambiental, civil, naval, metalurgia e materiais.

Equidade de gênero como ferramenta de inovação

Adriana Kazan explica que a baixa representatividade de mulheres nas carreiras de exatas é um quadro preocupante, já que essas áreas representam territórios férteis para oportunidades de trabalho e desenvolvimento futuro, além de serem campos propícios para as inovações que resolverão os principais problemas da humanidade.

Um estudo de 2019 realizado pela consultoria McKinsey sobre o impacto da desigualdade de gênero indicou que, se as mulheres em todos os países ocupassem o mesmo papel que os homens nos mercados, haveria um acréscimo de US$ 28 trilhões
na economia mundial até 2025 ou 26% do PIB global.

“Por mais que o estudo não considere apenas as carreiras de exatas, qualquer parcela deste valor faz diferença para a humanidade”, conta Adriana. “Ou seja, dar oportunidades e incentivar metade da população mundial, que são as mulheres, a ocupar o mercado de trabalho reduzirão desigualdades e trarão benefícios para todos os setores.”

No perfil no Linkedin do Clube Minerva, elas destacam: “A equidade de gêneros nas carreiras STEM trará mais equilíbrio, criatividade, inovação e crescimento para a humanidade”. Essa visão traduz em palavras o que o grupo pretende construir.

“A humanidade precisa de inovação para resolver suas grandes questões, como desigualdades, fome e a existência harmoniosa com o planeta. Ambientes profissionais mais diversos formam equipes mais criativas, felizes, equilibradas e que geram mais resultados. Ou seja, ambientes diversos são o berço para a pluralidade de ideias e soluções”, explica a engenheira civil, formada pela Poli em 2003.

As carreiras STEM ainda são ambientes muito masculinos e homogêneos. Mas Adriana acredita que as mulheres podem mudar o mundo na medida em que, ocupando posições de decisão nas várias esferas da sociedade, tragam uma visão diferente do mundo e da vida, com novas ideias e perspectivas.

As mulheres precisam ser independentes financeira e emocionalmente, além de livres para seguir seus sonhos e chegar a posições decisórias nas carreiras que decidirem seguir. “A educação é uma das bases para isso, mas as meninas são desencorajadas desde a infância, por toda a sociedade, a estudar ou seguir carreiras tradicionalmente ocupadas por homens. Essa baixa expectativa em relação ao desempenho feminino nessas áreas desencadeia insegurança, ansiedade e fuga”, conta Adriana.

Como participar do clube?

A comissão é formada por 19 membros: 17 engenheiras, um engenheiro e uma especialista em microbiologia e doutora pela Poli.

“Como somos uma iniciativa da AEP [Associação dos Engenheiros Politécnicos], nossas voluntárias têm conexão com a Poli, sejam alunas de graduação ou pós-graduação, professoras ou engenheiras formadas. Porém, estamos abertas a incluir todos que se identificam com nossas crenças e valores, e uma forma de isto acontecer é por meio de parcerias, por exemplo”, explica a coordenadora.

Para participar, é preciso dizer como deseja colaborar. É possível contatar o grupo pelo site, preenchendo o formulário de contato, pelo e-mail ou por envio de mensagens no inbox do Instagram @clubeminerva e do Facebook. O contato também pode ser feito pelo Linkedin.

As formas de atuação vão desde participar da comissão, liderando algumas das áreas como estratégia, conteúdo, mídias sociais, marketing ou eventos; até contribuir pontualmente em novas iniciativas e decisões sobre as ações planejadas. Também é possível sugerir um assunto sobre o qual se possa escrever, fazer um post, editar vídeos para serem publicados, participar da organização e criação dos eventos e lives, indicar empresas ou pessoas que tenham iniciativas com as quais o grupo poderia interagir, ou mesmo dar um depoimento e contar uma experiência que possa inspirar outras mulheres nas carreiras STEM. “Não importa se a disponibilidade de tempo é pouca, sempre achamos uma forma de acolher novas contribuições”, conta Adriana.

Para mais informações, acesse:

Site: www.politecnicos.org.br/clube-minerva
E-mail: clubeminerva@politecnicos.org.br
Facebook: www.facebook.com/clubeminerva
Instagram: https://www.instagram.com/clubeminerva
Linkedin: https://www.linkedin.com/company/clube-minerva

 

Texto: Karina Tarasiuk / Jornal da USP