Informações sobre uma educação em constante transformação, quando a tecnologia enriquece e facilita a aprendizagem

Programa vai preparar futuros cientistas para interface entre ciências da vida e matemática

Treinamento quer formar pesquisadores para enfrentar desafios atuais da ecologia e biologia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Foto: Freepik

 

O Instituto Serrapilheira lança, em parceria com o Instituto Sul-Americano para Pesquisa Fundamental (ICTP-SAIFR), um novo treinamento com o objetivo de preparar futuros cientistas para a pesquisa transdisciplinar em ciências da vida: o Programa de Formação em Biologia e Ecologia Quantitativas. As inscrições para a primeira edição começam no dia 9 de março.

Voltado a pessoas com graduação completa em qualquer área, o programa vai oferecer uma formação gratuita em ciências da vida com um foco no uso da matemática, física e ciência da computação. Os selecionados aprenderão sobre métodos quantitativos para resolver questões da vanguarda da biologia e ecologia. O objetivo é aproveitar o potencial do Brasil – o país que abriga a maior biodiversidade do planeta – para criar, em longo prazo, uma geração de jovens cientistas altamente qualificados para lidar com seus desafios.

O momento é especialmente oportuno. A ONU vem alertando que estamos prestes a perder um milhão de espécies nas próximas décadas. E, após os países não cumprirem boa parte das metas mundiais para biodiversidade para 2011-2020, a organização declarou 2021-2030 como sendo a Década da Restauração dos Ecossistemas.

Amplos, os tópicos abordados vão da genética moderna à ecologia comportamental. Para isso, o curso reuniu um grupo inédito de professores que são referências globais em suas áreas de pesquisa. A lista inclui nomes como o neurocientista da Universidade de Tel Aviv (Israel) Oded Rechavi, um dos maiores especialistas em epigenética, que estuda como características que não estão no DNA podem ser passadas para as gerações seguintes.

Quem também está confirmada é a matemática Corina Tarnita (Universidade de Princeton/ EUA), que desenvolve modelagens matemáticas para entender como unidades biológicas simples interagem entre si para criar estruturas de maior escala – por exemplo, a interação entre várias células para desenvolver um organismo multicelular. Mais do que assistir às aulas, os alunos terão a oportunidade de interagir diretamente com cientistas que estão na fronteira do conhecimento. A lista completa de professores e tópicos está disponível aqui.

Por causa da pandemia da Covid-19, a primeira edição será totalmente remota, em uma versão mais curta, de 5 a 30 de julho de 2021. As edições futuras acontecerão presencialmente, em São Paulo, terão duração de seis meses e incluirão uma etapa de desenvolvimento de uma proposta de pesquisa. A ideia é que os alunos sigam sua formação em uma instituição de excelência no Brasil ou no exterior após a conclusão do programa.

Os candidatos devem ter a graduação completa ou previsão de conclusão até 31/12/2021, em qualquer área do conhecimento, em instituições do Brasil e da América Latina. É necessário ter conhecimento prévio de cálculo diferencial e integral e domínio do inglês. Serão selecionados até 50 participantes, e os primeiros 500 inscritos terão preferência no processo seletivo, por isso é importante preparar a inscrição com antecedência.

Esta é a primeira iniciativa do Serrapilheira voltada a pesquisadores em estágio de carreira pré-doutorado. “A pesquisa moderna em ciências da vida gera uma quantidade enorme de dados complexos”, explica o diretor-presidente do instituto, Hugo Aguilaniu. “Queremos quebrar essas fronteiras artificiais limitantes, de modo que um jovem biólogo saiba que ele pode usar uma equação como um matemático ou pensar como um físico para entender sistemas biológicos complexos como um ecossistema tropical.”

O ICTP-SAIFR é um centro internacional, com sede no Instituto de Física Teórica da UNESP, que organiza escolas e workshops em tópicos relacionados à física para alunos de pós-graduação e pesquisadores. “Com a explosão de novos dados em biologia, muitos físicos estão migrando para esta área para aplicar as ferramentas que aprenderam estudando sistemas complexos,” afirma o diretor do ICTP-SAIFR, Nathan Berkovits.

As inscrições vão até 3 de maio pelo site do ICTP-SAIFR. O edital também está disponível no site do Serrapilheira.

Webinars de lançamento com Simon Levin e Akiko Iwasaki

Para anunciar a novidade, o Serrapilheira e o ICTP-SAIFR realizarão dois webinars com membros do comitê consultivo do Programa de Formação em Biologia e Ecologia Quantitativas. No dia 2 de março, às 11h, o ecólogo e professor da Universidade de Princeton Simon Levin vai abordar a importância da ciência básica a partir de sua experiência de quase 60 anos de pesquisa interdisciplinar. Simon Levin é vencedor do Kyoto Prize e da National Medal of Science dos EUA e um dos ecólogos mais proeminentes no mundo.

Já no dia 4 de março, às 11h, Akiko Iwasaki, professora da Universidade Yale e pesquisadora no Howard Hughes Medical Institute (HHMI), nos Estados Unidos, vai falar sobre o papel da ciência básica no enfrentamento de desafios concretos, como a Covid-19. Uma das imunologistas mais influentes do mundo, Iwasaki contribuiu significativamente para a compreensão da resposta imunológica a vírus, inclusive o Sars-CoV-2. Ela também é ativista pela participação de mulheres na ciência.

Criado em 2017, o Instituto Serrapilheira é a primeira instituição privada de apoio à ciência e à divulgação científica no Brasil. Sem fins lucrativos e com recursos oriundos de um fundo patrimonial, já apoiou 124 projetos de pesquisa e 47 de divulgação científica.

O ICTP-SAIFR é um hub sul-americano de física teórica, criado em 2011 por meio de uma colaboração entre o International Centre for Theoretical Physics (ICTP), na Itália, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Desenvolve pesquisas de renome mundial em física teórica, apoia a pesquisa em regiões da América do Sul em que a física teórica está menos desenvolvida e funciona como um centro internacional de formação científica.

Com informações de Carla Russo, Luiza Barata, Raphael Gomide, Corcovado Comunicação Estratégica